Palavras Domesticadas

Palavras Domesticadas

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Explode Gonzaguinha


Em sua edição de 26 de setembro de 1979, a revista Veja trazia uma matéria de capa com Gonzaguinha, de 5 páginas, escrita pela jornalista Regina Echeverria, que mais tarde escreveria “Gonzaguinha e Gonzagão”, uma biografia de ambos. Regina também é autora de uma biografia de Elis Regina, Furacão Elis. O destaque que a revista dava a Gonzaguinha, é em virtude do artista estar vivendo na época uma grande ascenção artística, de compositor elitista e pouco popular, a compositor e cantor de sucessos consagradores, a ponto de na época estar entre os dez compositores que mais faturavam em direitos autorais. A matéria começava dizendo:
“Não dava mais pra segurar. Muito menos para dissimular ou disfarçar. O que o magro, desengonçado, quase sempre taciturno e patético Luiz Gonzaga Júnior tentou esconder e não conseguiu desabafar saiu com força de seu peito como para dizer: “Chega de temer e sofrer”. Insistiu em que seu sorriso estava preso, guardado atrás daquele jeito seco, daquela cara amarrada. Que seu corpo estava duro, defendido atrás de um violão. Como se num toque de mágica, quase sobrenatural, o caminho lento e sofrido de dez anos convergisse para uma certa noite, há duas semanas, quando estreou em São Paulo seu show “Gonzaguinha da Vida”, no qual vive um pouco da letra de sua música e explode o coração, para uma plateia que parecia estar plantada ali para exigir justamente isso.”

Um box da matéria, escrito por Joaquim Ferreira dos Santos (hoje colunista d'O Globo), intitulado “Gonzagão e seu filho maravilhoso” traz um depoimento de pai pra filho:
“Na manhã de sábado passado, enquanto se certificava de que o cheiro de borracha queimada que invadia seu apartamento na Ilha do Governador provinha efetivamente do térreo , onde funciona uma arquiinimiga oficina de automóveis, Luiz Gonzaga, 66 anos, avivava suas primeiras impressões do tempo em que o filho, com 17 anos, resolveu morar com ele: “Ficava o dia inteiro tocando violão em cima da cama, olhando para as letras das músicas, e eu reclamava da posição em que ele ficava – as costas curvadas para a frente, sobre o violão. Eu dizia que ele ia ficar corcunda e podem reparar que, hoje, é meio curvado (...)" De recente experiência conjunta na gravação de “Vida de Viajante”, porém, guarda uma lição: “Nessa música eu cometi três erros, troquei palavras, entrei na hora errada, mas ele fez questão de deixar assim mesmo, dizendo: “Você errou muitas vezes, meu pai”. Para Gonzagão, o herdeiro é uma benção divina: “Tantos homens casam por amor e nascem filhos defeituosos, que não dão em nada. Eu sempre tive essa vida desregrada, vivi na zona de prostituição no mangue – e me nasceu esse artista maravilhoso.”

23 comentários:

  1. Pô, cara! Você tem a reportagem completa da Veja? Não tem como disponibilizar na íntegra pra gente? Grato!

    ResponderExcluir
  2. Mande-me o seu email, que eu escaneio e lhe envio.
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Márcio, tem como me mandar também? tiagosaldanhaadv@gmail.com

    Curioso é que nunca fui muito atrás de ouvir Gonzaguinha. Nem mesmo depois do filme. Aí um belo dia alguém deixa um álbum dele no carro e desde então é só o que ouço!

    ResponderExcluir
  4. Ok. Nunca é tarde para se conhecer a obra de Gonzaguinha. Na primeira cena em que Gonzaguinha aparece no filme, ele está olhando a revista no camarim. Assim que escanear estarei lhe enviando.
    Abraço

    ResponderExcluir
  5. Quem não chora não mama! Manda pra mim também! jorgezuza@ig.com.br Obrigado!

    ResponderExcluir
  6. pra mim tambem por favor: darcioduilio@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  7. Por favor, pode enviar para mim também ?

    tarcisio_kim@hotmail.com

    ResponderExcluir
  8. Olá amigo, gostaria de ver a matéria da época, por favor me envia por email alndemberg@hotmail.com
    Parabéns pelo trabalho!

    ResponderExcluir
  9. Por favor, gostaria de ter a matéria completa também! Poderia enviar-me ao meu email? stealexandre8@gmail.com

    ResponderExcluir
  10. pra mim também a matéria!!
    sux138@yahoo.com
    aproveita e publica no blog! ;)

    ResponderExcluir
  11. Gostaria da materia tbm se fosse possivel...
    Segue e-mail: rrrafaelcarvalho@gmail.com

    Desde-já, grato!

    ResponderExcluir
  12. Se ainda puder, mande pra mim também
    Wesley.carneiro1@gmail.com

    Eternamente grato

    Wesley

    ResponderExcluir
  13. Gostaria de ler essa matéria também. Se puder mande pra mim também. E-mail: Rafael_alves18@hotmail.com

    Eterno Grato!!! Rafael

    ResponderExcluir
  14. Márcio de Aquino, favor me enviar.
    olirum79@gmail.com
    Grato

    ResponderExcluir
  15. Você poderia me mandar tbm muito obrigado de coração

    cesar4p@hotmail.com

    ResponderExcluir
  16. Será que ainda tem como enviar pra mim também?
    Agradeceria imensamente.
    addamartharj@gmail.com
    addamartharj@gmail.com
    Abraços

    ResponderExcluir
  17. Será que ainda tem como enviar pra mim também?
    Agradeceria imensamente.
    addamartharj@gmail.com
    addamartharj@gmail.com
    Abraços

    ResponderExcluir
  18. Boa noite.
    Olá Márcio.
    Será que você pode me enviar essa reportagem da revista Veja?
    Obrigado.
    megaduda@bol.com.br

    ResponderExcluir
  19. voce consegue esta matéria para mim também???
    nelson.drucker@gmail.com

    ResponderExcluir
  20. Se puder também me enviar eu vou agradecer bastante... gabrielcaldas25@gmail.com

    ResponderExcluir