Palavras Domesticadas

Palavras Domesticadas

sábado, 3 de março de 2012

Caetano Veloso & Banda Black Rio - 1977


Em 1977 Caetano Veloso lançava o disco Bicho, que trazia experiências ligadas à música de balanço, ao swing e com muito ritmo. A revista Música nº 14, daquele ano, trazia uma resenha do disco que dizia:
"Na primeira faixa, o ritmo e as palavras já evidenciam as características de, pelo menos, parte do elepê: Deixa eu dançar/Pro meu corpo ficar odara/Minha cara/Minha cuca ficar odara/...(Odara). E exatamente esta parece ser a intenção do cantor/compositor Caetano Veloso, 'um disco dançável'. E por que não?"
Para promover o disco, Caetano convidou para dividir o palco do Teatro Carlos Gomes, no Rio, a Banda Black Rio, a maior representante do movimento black, que ganhava muito espaço na época. O show, denominado "Maria Fumaça, Bicho, Baile Show" chegou a ser gravado ao vivo, porém nunca lançado oficialmente em disco, embora a fita tenha vazado na internet, e disponibilizada para download. Depois, com o lançamento de uma caixa com a obra completa e raridades de Caetano, o áudio do show foi lançado oficialmente. A mesma revista que fez a resenha do disco falou do show de Caetano e da banda Black Rio:
"Em duas horas de espetáculo, no Teatro Carlos Gomes, no Rio de Janeiro, 'Maria Fumaça, Bicho, Baile Show' apresenta Caetano Veloso e a banda Black Rio em horários habituais durante a semana e, aos sábados e domingos, numa surpreendente soirée dançante.
Há exatamente um ano Caetano invadia os palcos do Brasil com os Doces Bárbaros (ele próprio, Gil, Gal e Bethânia) e no ano anterior, se apresentava no espetáculo 'Joia' e 'Qualquer Coisa' com o grupo Bendegó. Sinais reveladores que talvez possam aplacar a admiração agora despertada e que, somadas a 'Bicho', um disco 'metade dançante', expliquem a opção por um trabalho dividido com uma banda 'pro pessoal dançar', e uma opção, na prática impossível para Caetano, de ser apenas um mero crooner.
Mesclando canções do novo disco, 'Odara', 'Gente', 'Tigreza' e 'Two Naira Fifty Kobo', com as tradicionais 'Alegria, Alegria', 'Qualquer Coisa', 'Atrás do Trio Elétrico', 'Chuva, Suor e Cerveja' e 'London London', Caetano pretende somente que o público dance e se divirta. E ele próprio define o espetáculo:

'Eu estava querendo fazer um show depois do disco e arranjar uma banda de peso. Isso para que o show tivesse o pique de música de peso, música mais animada, para dançar mesmo. Pensei em procurar o Oberdan (Magalhães, líder da banda Black Rio) para que ele me aconselhasse. Eu sabia que ele estava transando uma banda e um trabalho com o Dafé. E até pensei que fosse um trabalho fixo. Pensei 'de todo modo eu vou telefonar porque ele conhece todo mundo aqui no Rio'. Quando eu estava pensando nisso, ele pintou na minha casa. Trouxe a fita do elepê e pediu a minha opinião. Eu achei espetacular. Já tinha ouvido alguma coisa no disco do Dafé, mas nem sabia o nome da banda, nem nada. Sabia que eles queriam fazer uma coisa funk. Aí, Oberdan me disse que a banda era uma coisa separada, com disco e nome. Achei genial. E pensei 'seria ideal uma banda com esse nível, com esse peso, tocar comigo'. Mas não propus ao Oberdan por modéstia, pensei que não interessasse. Mas ele próprio me perguntou com quem o Gil estava tocando, pois eles queriam tocar com alguém. Comigo mesmo se eu quisesse. Eu disse, 'puxa, é exatamente o que estou procurando'. Porque o show é bem uma apresentação da banda. E eu fiz questão que fosse assim, porque eles são músicos muito bons. No Brasil tem muito instrumentista bom, muito músico bom, e não tem muito mercado. E quanto mais a gente pode trabalhar nesse sentido, melhor. Esse aspecto tem muita importância para mim.
O sentimento deles é muito jazz-Rio. Quer dizer, samba e jazz carioca, que é a formação musical de quase todos eles. Agora, o resultado é de nível elevadíssimo. Musical, profissional e sob todos os pontos de vista. E cada um deles individualmente, é um grande músico. Então, eu conseguir, hoje em dia, conviver numa boa, num trabalho com esses músicos é uma coisa espetacular. E eu acho que é espetacular para o ambiente. O que eu vi ontem na estreia, o que eu pretendo continuar vendo na temporada, tanto aqui como nos outros lugares em que a gente se apresentar, é que isso é uma coisa boa. Uma coisa que relmente é produtiva para o ambiente de música no Brasil.'"

Nenhum comentário:

Postar um comentário