Palavras Domesticadas

Palavras Domesticadas

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Raul Seixas - Revista Rock, a História e a Glória (1975) - 1ª Parte

A revista Rock, a História e a Glória, em seu nº 12, em 1975, trazia uma matéria com Raul Seixas, intitulada "Esta é a Lei: Faze o que tu queres". A matéria é assinada pela jornalista Ana Maria Bahiana, e fazia parte de uma sessão chamada "Os Fiéis". Segue abaixo a primeira parte:
"Raul diz que estava destinado a compreender o Novo Aeon desde garoto. Ou melhor, antes mesmo de nascer. Ou melhor, destinado não: programado. 'Estava lá dentro de mim esse tempo todo, entende? Então eu não podia desviar disso, já era parte de mim'. Confuso? Sinto muito. Não há outro jeito de falar do mundo & ideias de Raul Seixas sem deixar passar esta magnífica, brilhante confusão que é a própria essência de seu ser.
Conheci Raulzito no tempo em que ele era produtor de Jerry Adriani e ficava tomando sol nos pilotis do Conjunto Residencial dos Jornalistas, ali no Leblon. Era amigo de uns amigos meus e parecia só isso: um baiano tímido e estudioso recém chegado à Cidadec Maravilhosa. Depois teve o FIC, Let me Sing, Ouro de Tolo, e Raul ficou sendo o homem-que-viu-um-disco-voador-na-Barra-da-Tijuca. Aí ele já era um rocker brabo e a gente conversava sobre disco-voador e filosofia. Ele já dizia coisas como 'é preciso entrar na estrutura pra desmontá-la', e 'se você vive entre os ratos tem de agir feito rato, entrar na toca'. Lia Krishnamurti e falava paca em Alesteir Crowley, um pirado inglês que se dizia bruxo, transou em todas as sociedades esotéricas conhecidas, saiu de todas e fundou sua própria escola ocultista. (O poeta Fernando Pessoa era chapa dele, e, segundo dizem, foi o último a vê-lo antes de seu desaparecimento, lá pelos anos 30).
Daí, quando Raul sumiu e depois voltou falando em Sociedade Alternativa eu não me espantei. A gente teve várias conversas sobre assuntos diversos, voltando sempre ao mesmo tema: rock e sociedade alternativa. Foi quando eu constatei o óbvio: Raul transava ferozmente com as ciências ocultas, e tinha desenvolvido uma especial preferência pelo pensamento de Alesteir Crowley. No final de 73 eu lhe pedi um texto sobre o sucesso do filme 'O Exorcista', que ele tinha visto em Nova York. Ele me mandou quatro laudas filosófico-esotéricas em que havia um trecho assim: 'Historicamente, enquanto a Cosmogonia Mágica tentava se impor, teve de enfrentar uma série de antídotos ministrados pelo sistema. Por exemplo: quando determinados fenômenos tornaram-se inexplicáveis graças à evolução da ciência, surgiu a Parapsicologia (um nome estranhamente sedutor) que durante muito tempo empulhou o mundo tentando utilizar um sistema de raciocínio caduco para explicar um fenômeno potencialmente novo. Mas ao mesmo tempo, a própria sociedade criava condições para o florescimento da Cosmogonia Mágica, uma mudança radical do raciocínio e da civilização, aquilo que nós chamamos em nossas entrevistas de Novo Aeon.'
Em 74, Raul parecia decidido a levar o Novo Aeon ao mundo de qualquer maneira. Ou melhor, através de seu álbum Gita e dos seus shows esotéricos anarquistas pelo interior do país. Ele mesmo me confessou: 'Sabe, não gosto de Gita. É um disco doutrinário. Eu estava sendo um Cristo, botando pra fora um Jesus que há em mim e que já me faz gostar de sofrer pelas pessoas, tentar mostrar caminhos, dar toques'. Nessa época Raul era filiado à sociedade esotérica A.A. Tinha sido iniciado por um discípulo direto de Alesteir Crowley, 'um cara na mão de quem ele confiou o Livro da Lei, a soma toda dos princípios do Novo Aeon'. Raul fazia dever de casa de magia, estava totalmente absorvido pela coisa. Uma vez cheguei em casa e ele estava, febril, debruçado sobre um livrão enorme cheio de símbolos cabaslísticos, fazendo contas sem parar. Eram tarefas, os exercícios que o tal Magister supremo passava pra ele. 'Eu não culpo a ninguém. Fui eu mesmo que deixei Gita ficar doutrinário. Mas era o meu retato fiel, na época.' "
(Continua)

Um comentário:

  1. Bom dia. Quero comunicar que digitalizei as primeiras 19 edições da revista Rock - A História e a Glória e vou disponibilizar pra quem tiver interesse. É só mandar um email para o do comentário e disponibilizo o link para download.

    ResponderExcluir