Palavras Domesticadas

Palavras Domesticadas

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Inauguração da Praça Travessia - Três Pontas 1977


"Em música eu comecei com 15 anos num conjunto vocal, do tipo dos Platers. A gente tocava rock, e aquele troço todo. Com 15 anos mesmo eu fui ser crooner de boate. Depois nós fizemos um conjunto de baile e saímos por aí. Até hoje eu não estudei música. Eu tentei duas vezes, mas não consegui, por preguiça. Em Três Pontas eu não podia ver nada, não ia nada pra lá. O máximo que eu podia fazer era ouvir rádio. Por causa do problema de cor, eu não podia entrar no clube, então tinha que ficar até de madrugada do lado de fora, pra poder ouvir quando tinha alguma orquestra tocando. Uma coisa que eu odiava era o dia 7 de setembro, o colégio saía marchando, e as pessoas quando me viam começavam a rir. Era muito chato... Desde que eu me entendo por gente, uma das coisas que eu mais queria era sair de lá. Como sempre, eu fui muito calado, e o pessoal de casa não tava sabendo bem o que estava acontecendo..."
Esse depoimento de Milton Nascimento à revista Bondinho em 1972, revela o preconceito que sofreu por ser negro na década de 50, quando o racismo era mais escancarado. Mas esse comportamento não era somente em cidades do interior. Era uma coisa geral. Anos depois, mais do que merecidamente Três Pontas homenageou seu filho mais ilustre (apesar de carioca de nascimento), inaugurando uma praça que à princípio ganharia seu nome, mas que o próprio homenageado preferiu que levasse o nome da música que lhe abriu as portas para a carreira de cantor e compositor: Travessia.
Era fim de julho de 1977, e a cidade vivia um dia especial. A festa, como não poderia deixar de ser, foi um grande acontecimento musical, quando alguns dos mais importantes astros da MPB da época se reuniram para prestar uma grande homenagem a Bituca. A revista Música nº 15 fez uma matéria, relatando a grande festa:
“Um dos parceiros de Milton, Fernando Brant, declarou à rádio local, ZYV 36, naquele 30 de julho: “Um dia Três Pontas ainda vai se chamar Milton Nascimento.” Mas talvez isso seja difícil acontecer, pois Milton preferiu que a praça a receber seu nome se chamasse Travessia. Nesse dia, a pequena Três Pontas recebeu, para a inauguração da praça e para o show ao ar livre que Milton organizou em retribuição à homenagem recebida, uma multidão que ultrapassava cinco mil pessoas. Para o show, eram aguardados Simone, Alaíde Costa, Ivan Lins, Beto Guedes e chegou-se mesmo a cogitar a presença de Caetano Veloso. No entanto, no palco montado na Fazenda Paraíso, a alguns quilômetros do centro da cidade, estavam os inseparáveis parceiros Brant, Ronaldo Bastos, os irmãos Borges, Fafá de Belém, Francis Hime, Clementina de Jesus, o Som Imaginário, Azimuth, Grupo Água e outros músicos, como o flautista Paulinho Jobim,filho de Tom Jobim.
Às 14h25, quando o Som Imaginário tocava “Nada Será Como Antes”, considerado pelos integrantes do grupo como “o tema do Milton” os espectadores aplaudiam a figura negra de Milton, o característico boné em conjunto com a camisa e calça jeans. Ele cantou Fazenda e A Lua Girou. Francis Hime foi chamado ao palco e, logo em seguida, subiu Chico. O Que Será transformou-se em um dos momentos mais emocionantes da festa, Aos poucos, outros convidados apareceram, e o que aconteceu, realmente, não pode ser chamado de um show, mas sim festa, onde amigos se encontraram e cantaram. Milton declarou: “É muita emoção. Não estou querendo justificar nada, não. Mas isso é a coisa mais linda. É coisa de irmão.”

11 comentários:

  1. vc se esqueceu do Gonzaguinha!

    ResponderExcluir
  2. A matéria de onde extraí o texto não cita Gonzaguinha, daí a não inclusão do nome dele.
    Obrigado

    ResponderExcluir
  3. Eu estava lá....foi demais. Nunca vi tanto policial na vida, faziam um tipo de cerca viva braços dados impedindo qualquer acesso fora do planejado. Lembro que estava um dia muito quente, sol a pino, e a turma foi obrigada a andar muito, subindo e descendo ladeira da tal fazenda. Mas valeu cada gota, milagrosamente retida em minhas retinas. A Bandeirantes TV gravou e passou editada como especial de final de ano, seria demais puxar do baú aquelas imagens.

    ResponderExcluir
  4. Legal ler um depoimento de quem esteve lá, naquele momento histórico.
    Abraço

    ResponderExcluir
  5. Eu tive o prazer nessa vida de participar desse grandioso evento . Uma festa maravilhosa !
    Sim! Gonzaguinha tambem estava lá .
    Cantamos, dançamos , curtimos a valer
    E no final, ainda fomos agraciados pelo belo pôr do Sol que, por sua vez, também quis coroar a magestosa festa, jamais esquecerei!

    ResponderExcluir
  6. Puxa!
    Dia 30-31/07/2016 fará 39 anos desde grandioso evento. Gostaria de ver essa gravação da TV Bandeirante para matar a saudade!❤️

    ResponderExcluir
  7. Seria rever/rever essas imagens. Espero que um evento tão importante tenha tido suas imagens preservadas

    ResponderExcluir
  8. Vice já conseguiu localizar algum vídeo desse evento ?

    ResponderExcluir
  9. Lia, eu nunca vi um vídeo desse evento, mas já ouvi falar que há um vídeo. Há alguns anos soube que existe esse vídeo, parece que foi filmado pela TV Bandeirantes. Gostaria muito de ver

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então temos que procurar junto a Bandeirantes. !
      Abraços

      Excluir
    2. Seria uma ótima forma de deixar registrado esse momento histórico, Lia

      Excluir