Palavras Domesticadas

Palavras Domesticadas

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Caetano Veloso fala sobre o show de Chico Buarque e Maria Bathania em 1975 (2ª Parte)

"Quando nos reunimos na casa de Chico para bolar um espetáculo para o Canecão - Osvaldo Loureiro, Rui Guerra, Chico e eu - várias perguntas surgiram e todas procuravam um sentido ou uma justificativa para que Bethania e Chico se apresentassem juntos no Canecão. Quando eu disse que haveria milhões de razões para explicar isso e que eu, de minha parte, só podia dizer duas (1º: o fato de ser uma boa grana para os dois e 2º: o fato de Bethania ser de Gêmeos e de Chico ser de Gêmeos e do show estar programado para estrear em Gêmeos), isso não causou nenhum mal estar na sala.
Quando eu lembrei que eu era de Leão e Rui Guerra era de Leão, isso animou a sala. Mas Chico lembrou que tanto ele quanto Bethania estavam completando 10 anos de carreira profissional. Aí Rui Guerra falou em História e poesia e aí ele teve muitas ideias e Osvaldo decidiu coisas como transformar o Canecão em arena ou circo e botar passistas de escolas de samba. Osvaldo representava o Canecão porque o Canecão é que tinha sugerido o nome dele. Eu achei ele legal de cara e achei que ele era de Leão. Rui Guerra é muito bacana, muito apaixonado. Mas foi Chico que pegou um papel e uma caneta e armou um show. Já estava amanhecendo e Chico disse muito claramente o que queria cantar e perguntou o que Bethania queria cantar e eu só sabia que ela queria coisa nova do Chico e 'Foi Assim' de Lupicínio. Bethania estava em São Paulo representando a Cena Muda. Quando o show de Chico Buarque e Maria Bethania ia estrear, Gil esteve aqui no Rio e foi comigo ver o ensaio geral. Entre a noite daquela reunião na casa de Chico e essa noite do ensaio geral eu não sei o que se passou porque eu não acompanhei os trabalhos. Daí meu susto ao ler meu nome entre os créditos do show. Mas, vendo o ensaio, Gil e eu ficamos deslumbrados como diante de uma pedra muito grande como aquelas que ficam perto de Milagres. Bethania estava cantando com orquestra com desenvoltura, sem direção de Fauzi Arap, sem bom teatro, 'Sem Açúcar', lançada pelos astros e pelo dinheiro na verdadeira verdade da sua profissão. Chico estava lindo, sempre cantando sozinho a fluência de suas rimas, 'Flor da Idade', e Gil me disse encantado: 'que barato é a gente morar na Bahia e vir ao Rio de vez em quando porque a gente vê tão claramente'. Chico sempre sozinho, 'Gota D'Água', os seus olhos transparentes. Eu pensei em pedir para tirar meu nome da porta porque ali não tinha nada da minha 'autoria', mas depois me entreguei a Deus pensando lucidamente que ali não havia nada que fosse de autoria de ninguém. Quando o show estreou, Bethania estava achando ruim  a declaração de Rui Guerra no jornal, porque ali ele aparentemente tentava se desresponsabilizar do que quer que viesse a ser o show e deixava a 'culpa' escorregar para a escolha do repertório dela. O Canecão estava cheio de 'Rio de Janeiro', acho que nunca houve tanto 'Rio de Janeiro' no Canecão antes. Muita atenção para as aspas. O Acaso foi impiedoso: o 'desamparo' em que Chico e Berré foram lançados chegou até à falta de som e o 'Rio de Janeiro' presente se viu diante de um pobre rico palco giratório, uns ladrõezinhos estilizados, um arremedo de escola de samba e a evidência de Bethania cantando 'Gita' (sob uma evocação que não parece ter partido da mesma plateia que reclamava quando o show terminou) quando o show terminou Rui Guerra me deu um beijo e ele estava alegre e éramos dois leões numa alegria acima do ego, sem autoria.
Eu amo ver esse show. Amei na estreia e tenho assistido várias vezes. Acho que é porque é uma transa sem ego, digo, sem inteligência, digo, sem graça, digo, com alguma sabedoria. Sobre ego: há anos que eu penso em tentar fazer com Chico umas versões de canções de Bob Dylan pra Bethania cantar. Com Chico porque ele também é de Gêmeos como Bob Dylan e Bethania, e eu acho que ele escreve num ritmo parecido com o de Bob Dylan, deve ser por causa do signo. Vendo Bethania cantar 'Gita' eu senti que ela estava realizando por outros caminhos esse sonho meu. Um dos lances de Raul Seixas é ser uma tradução de Bob Dylan. Eu perguntei a Bethania de quem tinha sido a ideia e ela me disse: 'de Fauzi', Que lindo que também Fauzi esteja presente e ausente nisso na medida em que Rui, eu e Osvaldo estamos para que a luz pinte. Alguma luz.
Sobre sabedoria: o que Francisco fala com os pasarinhos não pode ser traduzido para a inteligência que fala sobre Francisco."

Nenhum comentário:

Postar um comentário