Palavras Domesticadas

Palavras Domesticadas

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Rick Wakeman no Brasil - 1975


Nos anos 70 não era muito comum a apresentação de grupos e astros do rock internacional no Brasil, pelo menos aqueles que viviam seu auge artístico e de popularidade. Apesar de o público brasileiro sempre ter sido um grande consumidor de música pop, vários fatores faziam com que as grandes bandas não extendessem suas excursões mundiais por aqui. Uma excessão foi Rick Wakeman, ex-tecladista do Yes, que naquele período, quando o rock progressivo estava em alta, era um dos artistas mais populares na época, e tocou no Brasil em 1975. A revista Pop fez uma matéria com fotos dos shows e bastidores:
"E a lenda do anjo sinfônico dos teclados virou ralidade. Rick Wakeman esteve no Brasil por mais de duas semanas, transando shows que foram curtidos por mais de 80 mil pessoas em São Paulo, Porto Alegre e Rio de Janeiro. A moçada foi em massa reverenciar o mago que sabe misturar o rock com a música clássica num som único e apoteótico, muito bom de curtir.
E o que se viu foi quase como um londrino acordo entre cavalheiros: se, por um lado, o público saudou seu ídolo com comoventes ovações que ecoavam dentro dos ginásios superlotados, por outro lado, Rick Wakeman entregou-se inteiro à tarefa de arrancar sons sublimes dos teclados de seus instrumentos. Ele deu tudo o que pôde, fez tudo o que sabe, chegou a extremos de consagração que nem esperava.

Na verdade, nem os organizadores da temporada (e muito menos os empresários) esperavam que a consagração do ídolo seria tão grande. Todos ficaram de boca aberta quando perceberam que a moçada conhecia a fundo o repertório de Rick - reagindo ruidosamente aos primeiros acordes de suas músicas preferidas. E os aplausos iam crescendo, até o fim dos concertos, quando eram dirigidos também ao maestro Isaac Karabitchevsky, aos músicos da sinfônica e aos competentes carinhas do English Rock Ensemble - o grupo de Rick. Em todos os shows, Rick precisou voltar ao palco para bisar uma ou duas músicas.
Rick é um carinha legal, sem pose de superstar, mas consciente de suas virtudes como instrumentista e criador de música. E é um cara aberto a todas as curtições. Logo que chegou ao Rio, soube que há toda uma transa de discos voadores e visitas de fenícios ligada à Pedra da Gávea - e imediatamente compôs uma música inspirada na pedra (que ele via da janela de sua suíte). Mais tarde jogou uma partida de futebol (com os carinhas do conjunto) contra um time de artistas brasileiros. Perdeu esportivamente por 5 a 2. Em São Paulo, durante uma recepção na casa de um dos diretores da gravadora Odeon, lá pelas tantas da madrugada, Rick e todos os do seu grupo tiraram a roupa (ficaram só de cuecas), mergulharam na piscina e começaram a puxar todos os convidados para dentro d'água - de roupa e tudo.

Mas, é claro, toda essa temporada de festas, trabalho, curtições, muita música e apoteose, teve seu preço. Para garantir todo o luxo, a pompa e a impecável perfeição técnica (tanto de som como de iluminação) dos espetáculos, havia uma equipe de 70 pessoas nos bastidores. O total da aparelhagem pesa 18 toneladas, e só a mesa de som trabalha com 285 canais. O transporte dessa aparelhagem saiu por volta de 800 mil cruzeiros. E a Rede Globo e o Projeto Aquarius, responsáveis pela excursão, investiram no total cerca de 6 milhões de cruzeiros. Rick, que levou 50% da renda bruta, deve ter faturado uns 2 milhões!"

22 comentários:

  1. EM 1975 fui no show dele no Ginasio de Esportes da Portuguesa de Despostos. Paulo Autran e a Orquestra Sinfonica de Campinas acomparam Rick no maravilhoso Viagem ao Centro da Terra... seria muito legal se algum produtor musical investisse num show desta grandeza... em 1992 foi feito um show cover na cidade de Sorocaba.. as imagens estao no YouTube e confesso apesar da baixa qualidade de som na gravação foi um grande espetaculo... lamento nao ter ido....

    joaoluizgaspar@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  2. Foi um show histórico realmente, e inesquecível para quem presenciou. Um abraço

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Eu também fui; tinha 17 anos; foi maravilhoso e lá aconteceu um fato marcante; na época tomava um remédio que me fazi dormir 12 horas por noite, no mínimo; perdi o horário para o show e cheguei no ginásio da Portuguesa (que no Domingo passado infelizmente deu o tiro de misericórdia no meu Verdão, rssss), assisti metade do show e fiquei inconformado; Saí do local do show e ainda dentro do complexo, caminhando para saída, super triste, vi um papel amassado no chão: abri e era um ingresso do próximo show que iniciaria em mais ou menos uma hora; assisti o 2o show inteirinho; dá pra acreditar? más é a pura realidade! Dia 21/11/12, assisti o show dele que feaz em São Paulo: está velho barrigudão mas continua um ótimo músico! Abs a todos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que sorte invejável, Edilson!!!

      Excluir
    2. (Essa hora e data estão erradas. São 0:25h de 24/02/15.)

      Excluir
    3. edilson, entre nos procure nos wakemaniacos no face

      Excluir
  5. Que história fantástica, Edilson. Coisa pra nunca se esquecer. Obrigado pelo comentário.

    ResponderExcluir
  6. Estive no Show do Ginásio da Portuguesa em 1975 e agora no último dia 21 de novembro, no teatro Bradesco. Gostaria de saber se tenho chances de conseguir o ingresso da época de 1975, pois foi meu primeiro Show de Rock. De lá pra cá tenho emoldurado todos os grandes Shows que estive. Só me resta o de 1975.
    Rinaldo Cazorla - Guarulhos/SP

    ResponderExcluir
  7. Infelizmente não tenho como lhe ajudar, Rinaldo

    ResponderExcluir
  8. Eu fui com e foi mesmo inesquecível....

    ResponderExcluir
  9. Estive lá também na Portuguesa.Ele veio sem o YES.Na época,nesse mesmo ano,acho que em Janeiro/Fevereiro, estive no festival de rock em Iacanga. 40 anos se passaram e ainda lembro de tudo isso como tivesse acontecido há uns dois meses atrás.Isso é tão real que ainda dificilmente não vou em baladas.

    ResponderExcluir
  10. estava lá, eu com meu companheiro Marcos Faerman, saimos tão extasiados do estádio que só fomos buscar o carro no dia seguinte. Agora meu filho de 30 anos e amigos me trouxeram esta lembrança , anos 75 , memóráveis, para o bem e para o mal. Cést la vie. grata vou dar seu crédito no Face

    ResponderExcluir
  11. Fui ao Show e tinha colado na parede do quarto um poster que encartou a revista POP com ele no teclado.

    ResponderExcluir
  12. Eu tive esse poster. Era bem grande.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  13. Eu tb estive lá e quem esteve, vai lembrar de uns malucos que por estar o ginásio completamente lotado, resolveram subir na estrutura do telhado. Nesse momento algumas pessoas recolheram esse grupo que fazia essa loucura e começaram a gritar. Daquele lugar pude assistir ao show em uma posição privilegiada.

    ResponderExcluir
  14. Eu tb estive lá e quem esteve, vai lembrar de uns malucos que por estar o ginásio completamente lotado, resolveram subir na estrutura do telhado. Nesse momento algumas pessoas recolheram esse grupo que fazia essa loucura e começaram a gritar. Daquele lugar pude assistir ao show em uma posição privilegiada.

    ResponderExcluir
  15. Eu tb estive lá e quem esteve, vai lembrar de uns malucos que por estar o ginásio completamente lotado, resolveram subir na estrutura do telhado. Nesse momento algumas pessoas recolheram esse grupo que fazia essa loucura e começaram a gritar. Daquele lugar pude assistir ao show em uma posição privilegiada. Eu tinha então meus 16 anos de idade aureos porem inesqueciveis tempo

    ResponderExcluir