Palavras Domesticadas

Palavras Domesticadas

sábado, 5 de dezembro de 2009

Por que Paulo Coelho é tão odiado?


Após a Globo exibir o programa Por Toda Minha Vida, falando da vida e carreira de Raul Seixas, entrei na comunidade oficial de Raul no orkut, parta ler e opinar sobre o programa. Me chamou a atenção um tópico sobre Paulo Coelho, que participou do programa através de depoimentos. O que vi nesse tópico foi um ataque feroz contra o ex-parceiro de Raul em cerca de 90% dos posts. Muitos minimizavam a importância de Paulo Coelho na parceria, outros até punham em dúvida a real participação dele em várias letras, alguns o acusavam de se valer da imagem de Raul para se promover, e por aí vai.
Não sou leitor nem fã de Paulo Coelho, embora já tenha lido alguns de seus livros. Sobre o escritor, devo dizer, baseado no pouco dele que li, que não acho que sua literatura seja tão bem escrita e fantástica a ponto de vender tanto, de ter tanto prestígio internacional, e até fazer parte da Academia. Por outro lado não acho que o que ele escreve seja tão ruim a ponto de receber tantas críticas. Na comunidade fui um dos poucos a defender e reconhecer que a parceria com Paulo Coelho foi a melhor fase da carreira de Raul, e afirmei que se após terminar a parceria, Coelho virasse um empresário, por exemplo, e sumisse da mídia, seria considerado pelos fãs de Raul como seu grande parceiro. Uma vez Tom Jobim afirmou que no Brasil o sucesso de alguém é quase uma ofensa pessoal. Essa máxima talvez se aplique a Paulo Coelho.
Recentemente li o livro A Canção do Mago, de Hérica Marmo, que fala sobre o letrista Paulo Coelho. Nesse livro encontrei muitos fatos interessantes sobre Raul, sobre a parceria com Paulo, o processo de criação dos dois, e muitas outras histórias. Já li várias biografias de Raul, conheço quase todas suas histórias, mas esse livro trouxe muita coisa que eu não conhecia. Acho que todo fã de Raul que se interessa por sua biografia devia ler esse livro, mas se eu indicar essa leitura, sei que serei execrado pela ala xiita dos fãs de Raul. O livro não fala somente da parceria de Paulo com Raul, mas á história dessa parceria está presente na maior parte do texto. O livro fala de outros parceiros, como Rita Lee e Zé Rodrix, ainda nos anos 70, e também num trabalho mais comercial para artistas populares, como José Augusto, Sidney Magal, Dudu França e outros menos cotados. Esse trecho do livro se torna menos interessante, mas é necessário que tenha sido registrado, já que a proposta da obra é abranger toda a obra de Paulo Coelho como letrista, independente da qualidade ou importância de seu texto musicado.

3 comentários:

  1. Concordo que a melhor fase da obra de Raul seja com o Dom Paulete. Novo Aeon, que é um dos discos dessa fase, é talvez o melhor álbum de Raul... O Problema do Paulo Coelho talvez seja sua charlatanice e bancar essa pose de melhor escritor do Brasil ou da América Latina. Já li umas críticas que diziam que os livros de Paulo Coelho eram cópias descaradas de textos antigos. Nunca tive acesso a tais textos antigos, mas quando tive a oportunidade de ler "O Diário de uma Mago", fiquei espantado com a semelhança com "A Erva do Diabo" de Carlos Castañeda.

    Criticar Paulo Coelho como escritor é uma coisa, mas enquanto parceiro de Raul é outra questão. Falar em Raul sem mencionar a fase com Paulo Coelho seria o mesmo que contar a história pela metade. E a propósito, o programa de quinta foi muito bom...

    ResponderExcluir
  2. Concordo.. O Paulo coelho não nasceu pra ser escritor.. Ele aprendeu isso e além de tudo, na minha opinião ele se promove as custas de Raul Seixas.. Não gosto dele e pra mim ele passa longe de ser O MELHOR ESCRITOR DO BRASIL... Pra mim ele é apenas um produto da industria.

    ResponderExcluir
  3. As pessoas precisam separar o letrista do escritor,como com o Chico Buarque.Eu acho que a intenção de Paulo coelho sempre foi fazer auto-ajuda,a crítica foi que lhe deu "status" de escritor medíocre.Auto-ajuda não é literatura.

    ResponderExcluir