Palavras Domesticadas

Palavras Domesticadas

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Revista Bizz Especial - New Wave (1987)


A revista Bizz, que circulou entre os anos de 1985 e 2001, foi durante esse período o principal veículo de informação sobre música, (especialmente rock), cultura pop e informações culturais direcionadas ao ´principalmente ao público jovem. Vez ou outra a revista trazia um suplemento especial destacando determinado assunto, ligado ao mundo do rock. Também costumavam lançar edições especiais, vendidas separadamente. Em sua edição nº 24, de julho de 1987, a revista trouxe um suplemento especial encartado, destacando a New Wave, um movimento que dominou a cena musical entre o fim dos anos 70 e os primeiros anos da década seguinte. Trazendo textos de jornalistas especializados, colaboradores da revista, como Fernando Naporano, Jean-Yves de Neufville e Thomas Pappon, o suplemento traz um resumo da cena musical que deu origem ao movimento New Wave, e seus vários desdobramentos, origem e derivados, desde o Punk Rock (Sex Pistols, Clash, Buzzcocks), o Pós-Punk (PIL, Magazine, Gang Of Four, Durutti Column), o Tecnopop (Human League, Heaven 17), New Romantic (Japan) Two Tone (Specials, Beat), New Pop (SABC, Orange Juice), Gótico (Bauhaus) e Industrial (Cabaret Voltaire, Psychic Tv).

Trazendo na capa uma figura icônica da New Wave, a cantora Debbie Harry, uma ex- coelhinha da Playboy (que aparece também na foto acima), o suplemento em seu texto introdutório diz:
"Esse  suplemento especial foi concebido para jogar alguma luz sobre o assunto, suas origens, paralelos com o punk, e ramificações pós-punk. Uma das revelações que podem parecer surpreendentes é a New Wave não representar nenhuma ruptura - foi muito mais uma sobrevivente de um veio aberto pelos Stooges e pelo Velvet Undergroung, levada por bandas de Nova York como o Television (cujo líder Tom Verlaine, aparece na foto abaixo) e os New York Dolls pouco após a dissolução dos grupos citados."
Dentre as bandas que começavam sua carreira ainda nos anos 70, e que viriam a formar o cenário de um novo panorama do rock , um nome importante foi os Talking Heads, que começaram em 75, e gravariam seu primeiro disco dois anos depois, e se tornaram uma das bandas de maior destaque da New Wave, que surgia. Liderada por David Byrne, um multiartista com uma visão ampla e aberta a experimentações, a banda fazia um som que trazia influências das mais amplas, desde o funk até o pop.
Outra banda marcante da New Wave, e que em sua época conseguiu alcançar  sucesso comercial, foi o The Cars, uma banda de Boston, que lançou seu primeiro disco em 78, e que tinha como líder Ric Ocasek. O crítico Thomas Pappon em seu texto destaca que "este quinteto fazia um som despretencioso, cool, com melodias delicadas em beats bem dançantes (aliás, esta é a maior característica da New Wave)."
Outra banda marcante do estilo, e que trouxe um trabalho bem original é o Devo (foto acima), formado na cidade de Akron, Ohio por estudantes de arte da universidade local. "Com seus uniformes futuristas, gestos robotizados e letras cínicas, o Devo virou um protótipo da new wave americana", diz o texto de Pappon.


Bandas como B'52, outro ícone do estilo, também são citadas, assim como algumas outras que se desdobraram em outras correntes, como o Psychobilly, que nasceu a partir do trabalho do The Cramps (foto acima), também destacado no suplemento. Outras bandas, algumas hoje esquecidas, também são citadas, como A Certain Ratio, Associates, Au Pairs, Birthday Party, Dexis Midnight Runners, Fall, Killing Joke, League Of Gentlemen, Psychedfelic Furs, Teardrop Explodes, XTC, etc. Trata-se de um bom trabalho de pesquisa sobre um período interessante do rock.

2 comentários:

  1. Eu não estara exagerando ao dizer que essa revista mudou a minha vida Márcio. Não tinha internet e a Bizz era tudo o que eu tinha. Eu já simpatizava bastante com a New Wave e o Pós-Punk (e principalmente o punk). Ia na Caina e pedia para o Paulo André para ouvir quase todas essas bandas. Eu me lembro dessa revista com muita saudade, mas muita mesmo, pois ela foi um divisor de águas para mim. Construi a minha musicalidade ouvindo os punks da década de 70 e 80 e moldei todo o resto depois que li essa revista. Tinha todas essas bandas no vinil e hoje tenho todas (todas mesmo!) em CD ou DVD.
    Uma das melhores lembranças que tenho do temp mais feliz da minha vida! Valeu por ter postado isso!

    ResponderExcluir
  2. Valeu, Cassio. A coleção completa da Bizz é uma riqueza que possuo. Obrigado pelo comentário. Abraço

    ResponderExcluir