Palavras Domesticadas

Palavras Domesticadas

sábado, 12 de julho de 2014

Rio Jazz Monterey Festival (1980) - Hermeto na Bronca

Durante quatro dias, entre 14 e 17 de agosto de 1980, aconteceu no Rio, no ginásio do Maracanãzinho, o Rio Jazz Monterey Festival. O evento trouxe nomes de peso, nacionais e internacionais, como Baby Consuelo, John McLaughlin, Weather Report, Banda Black Rio, Al Jarreau, Hermeto Pascoal, Victor Assis Brasil, Pat Metheeny, Egberto Gismonti & Naná Vasconcelos, George Duke, Stanley Clarke, Airto Moreira e Jorge Ben, entre outros.
Com um time de convidados desse quilate, não tinha como tinha o festival ter aspectos negativos, isso teoricamente, pois uma das maiores atrações nacionais do festival, Hermeto Pascoal, teve muitos problemas durante sua apresentação. Nesta entrevista publicada no jornal quinzenal de música, Canja, em setembro daquele ano, Hermeto desabafou:
“Hermeto já começou a ficar invocado de tarde. O pessoal do equipamento de som chegou nele assim, numa péssima:
- ‘Ô Hermeto, você não vai tocar até tarde hoje à noite, né?’
Outro vinha e advertia:
- ‘Cuidado com os instrumentos. Se quebrar, paga!’
Papo mesquinho pra cima de um músico (e que músico!) que inclusive cedera seu piano pra a apresentação do Al Jarreau – no Festival não tinha um piano que prestasse. Mas deixa pra lá.
Ele entrou em cena na boca da madruga. O astral não estava grande coisa no Maracanãzinho tomado pela metade, uma platéia inquieta como só, mas dava pro gasto. Antes dele entrou o violonista Heraldo do Monte, que tirou uma música que a folhinha não marca.
- ‘Um dos maiores do mundo, mesmo’, proclamou Hermeto ao entrar, se babando com a apresentação do amigo.
Começou levando um papo muito amoroso com a platéia, chegou a tocar uns vinte minutos e, de repente, aquele ouriço quando ele estava ao piano e ameaçou parar pela primeira vez se não fizessem silêncio.

- Qual foi a bronca, Hermeto?
- ‘No momento eu não sabia o que estava acontecendo no auditório. Não sei se você sabe que eu enxergo pouco, e quando estou no palco só vejo os instrumentos e a música. Depois é que me contaram em casa: tinha gente sendo presa porque tava fumando maconha. Do meu lado esquerdo o público fazia barulho porque tinha uma câmera na minha frente e o pessoal gritava; ‘Sai daí, palhaço!’ No dia seguinte ele fez a mesma coisa, o tal do cameraman, e o baterista do conjunto do George Duke deu-lhe um soco no meio da cara, segundo me contaram. Bom, aí eu comecei a ficar nervoso. Não estou me retratando. Acho que o público devia silenciar. Apenas culpo a confusão, inclusive soube que tinha gente dançando de patins no fosso, perto da orquestra. Mas de qualquer forma, senti uma coisa estranha, porque tinha um grupo encomendado pra fazer barulho na minha hora. Você viu que eu saí e voltei. O barulho sempre começava de uma parte do lado direito. Meus filhos me falaram aqui em casa depois que era o pessoal com a camisa do Festival, a coisa partia sempre do lado deles. Um grupo encomendado pra fazer barulho na minha hora, não partiu do público que sempre me aplaudiu. Na hora eu falei que eram dez por cento fazendo barulho, que estavam ali só pra fazer zorra. Fã-clube desses cantores de merda que as gravadoras enfiam no festival. Festival de música não é de bicão. Até em festival tem jabá: tão botando os bicões pra tocar com a gente, inclusive a minha gravadora, que é outra bosta. O pessoal veio me dizer aí que aquilo não era público pra mim. Que é isso, rapaz! Já toquei na rua e tudo. Em todo festival que vou tocar tá assim de gente. Por isso, no próximo festival, eu peço pras pessoas que quiserem escutar uma coisa: fiquem em silêncio para deixar bem visível o pessoal da bagunça.’ 
Fazendo um gesto não muito amistoso para a plateia

O pessoal da bagunça causou um estrago maior do que pensa. John McLaughlin, por exemplo, só estava esperando clima para entrar e tocar Nem Um Talvez, música de Hermeto que os dois tocaram juntos num disco de Miles Davis.
Mas nem tudo está perdido. Antes mesmo do próximo festival, daqui no máximo a duas semanas, Hermeto vai fazer um show de graça ao ar livre e, sem gravadora e sem patrocinador, para o distinto público que quiser curti-lo. Enquanto não fizer isso, ele não sossega. Por isso também não aceitou o convite pra um show de quatro dias semana passada no Teatro Galeria, no Rio.
- ‘Não é retratação. É vontade de tocar’.
Dias depois do lamentável incidente que envolveu Hermeto Pascoal durante sua apresentação no Rio Jazz Monterey Festival, as opiniões dos críticos, músicos e público ainda continuam divididas. A favor ou contra o artista, de forma geral elas mostram uma coisa: são totalmente emocionais. Hermeto, manifestando-se contra o excesso de luzes, de barulho, de câmeras de televisão, abandonou o palco, para depois voltar, ser vaiado e abandoná-lo definitivamente.
No entanto, para quem conhece bem Hermeto, mesmo reconhecendo que ele é um artista imprevisível, principalmente em termos de sensibilidade e criatividade, o infeliz episódio não pode ser encarado como mero fato isolado e uma explosão de momento, mas sim como ápice de um processo que deve merecer profunda análise e reflexão.

Afinal, Hermeto Pascoal é reconhecido internacionalmente como um dos maiores gênios da música brasileira contemporânea e um dos mais – se não o mais – criativos. Sua música não é, nem de longe, de fácil assimilação, mas apesar disso seu prestígio é incontestável. Como líder, Hermeto é dos que mais valorizam todos os que com ele trabalham, como mostrou ao destacar com carinho e respeito incomuns os componentes de seu grupo no Festival, antes do incidente. Como intérprete, é um instrumentista que se equipara aos maiores do mundo, ao piano, flauta, saxes e outros instrumentos, como mostrou também no Festival, ao piano e flauta em momentos de grande beleza e impacto, antes do incidente. Como homem, Hermeto é extremamente sensível às injustiças, tem extraordinário sentido humano e é possuidor de uma personalidade cativante, e também totalmente não convencional.
Apesar de todos os lances inusitados que marcam suas apresentações, jamais Hermeto dotou atitudes tão drásticas, inclusive em festivais como os dois de São Paulo e o de Montreux, e não é fácil se aceitar como mera coincidência que isso tenha acontecido justamente num festival em que prevaleceram quase que só aspectos negativos e discriminações, de que foram vítimas principalmente músicos brasileiros. Até porque tudo indicava que Hermeto se preparava para fazer uma apresentação menos exótica, menos ‘hermética’, como atestam a inclusão do guitarrista Heraldo do Monte, músico notoriamente discreto, e o próprio início do programa, com interpretações muito mais sóbrias e menos inusitadas.
Em conclusão, a hora é de uma reavaliação, porque há problemas que o próprio Hermeto vem apontando, inclusive em recente entrevista em que se queixava da pouca difusão de sua música pelo rádio, problemas esses que afetam e poderão ainda afetar a maioria dos artistas sérios brasileiros e comprometer seriamente ainda mais a nossa cultura já relegada a um plano cada vez mais baixo.”
 




2 comentários:

  1. Parabéns, pelo blog
    Sempre comentava com meu marido sobre este dia, e quando encontramos o post, foi como se eu estivesse novamente lá. Mesmo Hermeto tendo abandonado o palco foi contagiante tê-lo ouvido, eu fazia parte do grupo de ficou em silêncio, e ficamos muito tristes quando ele saiu definitivamente.

    ResponderExcluir
  2. Ainda bem que pessoas como vc sabem valorizar um artista como Hermeto

    ResponderExcluir